Pular para o conteúdo

Intraempreendedorismo: O perfil empreendedor dentro das empresas

RGE Campinas > Dica > Intraempreendedorismo: O perfil empreendedor dentro das empresas

 

Acredito que existe um empreendedor dentro de cada um de nós, que surge quando descobrimos o que nos move, quando encontramos nossa verdadeira missão. Afinal, em sua essência empreender é realizar algo desafiador. Em alguns isso é menos latente, em outros mais.

 

Há profissionais que nasceram para empreender. Não necessariamente construindo sua própria empresa – ato que exige grandes riscos financeiros e profissionais, para os quais nem sempre estamos preparados – mas construindo seu próprio projeto, seu próprio negócio.

 

E por que não fazê-lo com o respaldo financeiro e estrutural que uma grande empresa pode oferecer? Pois é! Poucas pessoas pensam nesta opção. Isso se chama intraempreendedorismo, uma prática capaz de impulsionar a inovação dentro de empresas já estabelecidas.

 

Como surge um intraempreendedor

 

Sempre fui uma profissional que se entregava por completo, abraçava a causa da empresa como se fosse minha, buscava caminhos para inovar no que imaginava que pudesse ajudar a empresa e seus colaboradores. Mas meu sonho sempre foi empreender: liderar o meu negócio, ser a responsável pelo sucesso do meu projeto. Nunca achei que pudesse realizar isso estando dentro de uma empresa. Sem querer, um dia descobri que isso era possível e, acredite, foi libertador.

 

Não estou dizendo que é algo simples, afinal é necessário que a empresa te dê certa abertura para realizar algo novo. Muitas vezes, ainda que haja tal abertura, esta pode não ser sua principal responsabilidade na empresa, fazendo com que um projeto empreendedor paralelo te sobrecarregue por certo tempo.

O segredo é ter aliados na empresa que apoiem sua causa, não desistir e provar através de números que seu projeto faz sentido.

Principais características do intraempreendedor

 

Será que você possui um perfil empreendedor? Confira abaixo as principais características de um intraempreendedor.

 

Inquieto: busca sempre inovar, a fim de melhorar processos e resultados da empresa.

Questionador: nunca se acostuma com processos falhos e resultados medianos.

Corajoso: gosta de desafios e assume responsabilidades.

Entusiasta: celebra as conquistas de cada etapa do projeto e se mantém otimista.

Ownership: não vê a empresa como apenas um emprego, mas se sente dono do negócio e se empenha em contribuir para o sucesso da organização.

Proativo: gosta de resolver problemas e se antecipa a possíveis imprevistos. Entrega mais do que o esperado e faz acontecer.

Persistente: não desanima com falta de apoio e encara crises como aprendizado.

Ousado: não tem receio de propor algo novo e assumir os riscos, ainda que pareça não haver aprovação ou necessidade de inovação.

Estratégico: consegue ter uma visão sistêmica da empresa e aliar suas ideias à missão da corporação.

 

Importância da cultura da empresa para o intraempreendedorismo

 

Normalmente empresas de mentalidade moderna e cultura empreendedora são mais abertas à inovação e dão esta liberdade a seus colaboradores. Elas reconhecem que assim podem surgir grandes ideias, capazes de melhorar processos dentro da empresa ou até mesmo se tornarem seu grande diferencial competitivo no mercado.

 

Empresas desse tipo costumam ter uma cultura muito forte, capaz de envolver o colaborador com sua missão e fazer com que ele se sinta parte responsável pelo sucesso da corporação e membro ativo de seu desenvolvimento. No entanto, de nada importa uma cultura empreendedora se os gestores não dão a autonomia e suporte necessários para que seus colaboradores se desenvolvam como intraempreendedores.

 

Corporações mais tradicionais normalmente possuem estruturas hierárquicas mais burocráticas e funções limitadas, que podem dificultar o desempenho de um profissional empreendedor.

 

Neste caso, é importante começar com projetos menores: ainda que pareçam não ter impactos tão grandes, desta maneira é mais simples ganhar a confiança dos gestores e ir mostrando aos poucos, através de números e resultados, que pequenas mudanças podem trazer grandes ganhos à empresa.

 

Este processo pode demorar mais tempo caso você não tenha o apoio de sua gestão, mas não desista. Por trás de grandes empreendedores sempre existe uma história de persistência e aprendizado.

 

Falaremos nos próximos textos sobre passos que vão te ajudar a convencer seu chefe de que intraempreender pode ser uma ótima ideia!

 

Larissa Daroz – Expo D Pedro

Empreendedora corporativa

Redação RGE
Postado por: Redação RGE
Publicado em: 11/12/2017

Comente o que achou sobre este artigo.

Você também pode gostar destes artigos

24/01/2018

  Transformação Digital é o nome dado ao conceito que diz respeito à importância do papel da Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) no desenvolvimento da estratégia, estrutura, cultura e processos dentro de uma empresa. A partir do momento em que o mercado corporativo vai evoluindo e se movimentando nessa direção, acompanhando as mudanças de […]

23/01/2018

Muitas empresas ainda não estão preparadas para lidar com colaboradores de perfil empreendedor – e por isso correm o constante risco de perdê-los para o mercado. Falamos neste outro artigo sobre as dificuldades de intraempreender em alguns tipos de empresas, especialmente quando a gestão não possui uma visão empreendedora. Afinal, toda equipe acaba agindo sob o […]

23/01/2018

  Eu tive a sorte de conhecer a ferramenta do canvas um pouquinho antes de tomar a decisão de empreender. Foi o canvas que me ajudou a clarear e a estruturar as ideias que eu tinha. Ao mesmo tempo em que é uma ferramenta muito simples, me fez pensar em todos os pontos da cadeia […]

0 Compart.
Compartilhar
Compartilhar
Twittar
+1